8 de março | A luta feminista: um caminho de resistência e esperança

Neste Dia Internacional da Mulher compartilhamos uma mensagem, uma série de artigos do boletim informativo do WRM e um vídeo recente, feito pela Aliança Informal Contra as Plantações de Dendê na África Central e Ocidental.

Em meio à crise de saúde, social e econômica global gerada pela Covid-19, mulheres organizadas em todo o mundo – do Brasil à Índia, de Serra Leoa ao México – apontam para um horizonte possível: o da solidariedade, do cultivo e do acesso a alimentos saudáveis, do cuidado e do compartilhamento dos bens comuns. São mulheres que resistem e sustentam caminhos de luta coletiva por modos de vida autônomos, livres da opressão do capitalismo e do patriarcado. Formas de vida interligadas aos ciclos da natureza, que coexistem em equilíbrio e harmonia com as florestas e outros ecossistemas.

Neste dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, queremos reivindicar esse caminho traçado pelas lutas feministas, que ao mesmo tempo resistem e combatem com determinação as múltiplas e brutais formas de violência contra as mulheres, violências intrinsecamente relacionadas às indústrias extrativas, como as de dendê.

Em particular, as mulheres que vivem nas proximidades ou trabalham em plantações industriais de dendezeiros sofrem estupro e abuso sexual, expropriação de terras, contaminação de fontes de água e problemas de saúde por serem submetidas a trabalhos forçados e expostas a pesticidas. Esse padrão de violência se repete em países da África Central e Ocidental, da Ásia (principalmente na Masia e na Indosia) e da América Latina.

Neste dia, compartilhamos uma série de artigos do boletim informativo do WRM e um vídeo recente, feito pela Aliança Informal Contra as Plantações de Dendê na África Central e Ocidental. Neles, a violência contra as mulheres é denunciada e suas lutas são reivindicadas em diferentes países do Sul global.

Hoje expressamos, mais uma vez, nossa solidariedade para com as mulheres organizadas de todo o mundo que resistem e marcam um caminho de esperança diante da opressão do capitalismo, do racismo e do patriarcado. A luta continua. 

 

>>> Disponível em indonésio

Artigos do boletim do WRM:

Exploração sexual e violência contra as mulheres na raiz do modelo de plantações industriais

Patriarcados nas florestas da Índia: comunidades em perigo

Brasil: Contra a Covid-19, economia feminista no campo e na cidade

Comunidades da África Ocidental e Central resistem às plantações industriais de dendezeiros, mesmo em épocas de pandemia

Índia: mulheres, Bens Comuns e patriarcado

Mulheres, territórios e posse da terra: Reflexões vindas do México sobre por que e para que nós, mulheres, queremos a terra