Mulheres na resistência

Quando as florestas são destruídas, as mulheres das comunidades que dependem delas são atingidas com muita força: suas condições de vida são especialmente precárias, e obter alimentos, medicamentos, materiais e água potável fica ainda mais difícil. Os conhecimentos e a sabedoria tradicionais que as mulheres transmitem ao longo de gerações também são colocados em risco. É por isso que elas costumam estar na vanguarda da resistência contra a destruição das florestas.

As plantações de dendezeiros são a principal causa do desmatamento no sudeste do México. Uma rede de mulheres em Chiapas se organizou para denunciar as táticas de coerção e fraude usadas pelo Estado e pelas empresas para que os camponeses aceitem a monocultura em suas terras. A luta delas é pela terra, por seus saberes e para que suas vozes sejam ouvidas.
A empresa de plantação de dendezeiros Socfin é sinônimo de violência e opressão para as comunidades que afetou em vários países africanos. Serra Leoa não é exceção. Em um trabalho conjunto com Aminata Finda Massaquoi, jornalista e coordenadora nacional da WORNAPI, uma rede de defesa dos direitos das mulheres, o WRM está lançando um podcast para dar destaque às vozes das mulheres que convivem com os impactos das plantações industriais.
Na ilha de Kalangala, em Uganda, as plantações de dendezeiros da BIDCO, empresa que tem como uma das proprietárias a multinacional Wilmar, causaram impactos devastadores. A BIDCO planeja expandir suas atividades para a Ilha de Buvuma, mas continua enfrentando forte oposição organizada! Assista a um pequeno vídeo com testemunhos de resistência da Ilha de Buvuma.
As comunidades quilombolas de Sapê do Norte, Brasil, vivem um violento processo com a expansão da monocultura de eucaliptos em grande escala. Após muitas dificuldades, iniciaram um processo para retomar suas águas e terras. E a luta para retomar o que é seu, continua. O WRM conversou com dois ativistas quilombolas pra refletir sobre este difícil, mas fértil, processo de resistência.
Uma pesquisa do Urgent Action Fund (UAF) África destaca que as mulheres são as que mais sofrem com a falta de água e o impacto em sua saúde e seus meios de subsistência, bem como em suas famílias e na comunidade em geral.
A cooperativa Produtores Independentes de Piray (PIP), na província de Misiones, Argentina, foi formada em 2005 para frear o avanço da monocultura de pinus da multinacional Arauco e recuperar a terra. O WRM conversou com Miriam Samudio, liderança da família PIP, para refletir sobre o processo de luta e as lições aprendidas.
O Povo Munduruku, no Brasil, diz que a retórica anti-indígena do governo Jair Bolsonaro estimulou madeireiros e garimpeiros ilegais e colocou os indígenas em maior risco. Como resposta, três jovens Munduruku coordenam um coletivo audiovisual que usa as redes sociais para conscientizar sobre as invasões ilegais de seu território.
Este texto vem das conversas com mulheres do Vale do Ribeira que tem se dedicado a travar uma luta contra a concessão de um dos mais importantes parques da região. Sua luta é fundamental e junta-se às mais diversas resistências contra a corrente privatizante de criar 'territórios sem gente.' Eles nos lembram que seu território é e está enraizado em suas histórias, vozes e resistências.
O International Labour Research and Information Group produziu um calendário inspirador para 2022, com belas ilustrações.

A empresa de dendezeiros Socfin representou violência para as comunidades. No entanto, as mulheres precisam enfrentar outro sistema patriarcal mais próximo de casa: os chefes tradicionais são.