Produção de energia em grande escala

A queima de petróleo, carvão e gás natural está causando o caos climático. Além disso, a extração desses combustíveis fósseis e, cada vez mais, o uso de energia geotérmica e de biomassa, também destroem os meios de subsistência e as florestas. As grandes empresas de energia pedem que os governos reprimam violentamente a resistência das comunidades a essa destruição. Os combustíveis fósseis, em particular, têm deixado um rastro de destruição e opressão violenta, enquanto um pequeno número de empresas embolsa lucros astronômicos.

As comunidades indígenas afetadas pela poluição da atividade petrolífera também são impedidas de acessar água potável para consumo e uso. Há onze anos, no norte da Amazônia peruana, cem comunidades e suas federações indígenas travam uma luta unitária, constante e articulada em defesa de seus territórios e rios.
São as interconexões e dependências entre colonialismo, racismo, patriarcado e exploração de classe que criam as condições para a crise climática. Portanto, enfrentar o caos climático é enfrentar as relações de poder desiguais em que se baseia o capitalismo, com sua dependência dos combustíveis fósseis.
Os quase 5 mil km do rio Mekong, que atravessa seis países e garante as vidas e a subsistência de milhões de pessoas, está sob grave ameaça devido à construção de grandes usinas hidrelétricas. As comunidades estão resistindo ao que poderia ser a luta final para salvar algumas das partes restantes do rio e, na verdade, de suas vidas.

A declaração pede aos movimentos climáticos, ambientais e de justiça social que rejeitem inequivocamente “Soluções Baseadas na Natureza” e todos os esquemas de compensação, porque eles não são feitos para enfrentar a crise climática. Permanece aberta para assinatura até o final de 2021. 

Este artigo destaca as vozes de Justiça Ambiental! em Moçambique e WoMIN, uma aliança ecofeminista africana.

As empresas de petróleo, carvão mineral e gás destruíram e poluíram grandes áreas de floresta, e continuam devastando com a extração de combustíveis fósseis. Agora, estão colocando a proteção florestal e o plantio de árvores no centro de suas estratégias climáticas

De 2013 a 2021, a crise na Venezuela causou o colapso de uma nação construída em torno do petróleo nos últimos 100 anos. No cenário resultante, surge um extrativismo predatório, prevalece a mineração e se intensificam a violência política e a militarização da sociedade.

Convidamos a organizações de Brasil mas também de outros países a assinar esta carta -até o 21 de setembro- para fortalecer nossa luta e resistência contra os impactos das corporações em nossos territórios.