Armazenamento de carbono

Dizem que as plantações de monoculturas de árvores prestam o “serviço ecossistêmico” de armazenar carbono, vendido como solução para interromper o caos climático. Mas o carbono só é armazenado nas árvores por um período curto, até que elas sejam cortadas. Assim, depender do armazenamento de carbono nas plantações é uma falsa solução para evitar o caos climático. As plantações para compensação de carbono permitem que as empresas poluidoras continuem queimando combustíveis fósseis.

A Suzano esteve presente nas negociações climáticas da ONU de 2021 por um motivo principal: promover as plantações de árvores como uma “solução” para as mudanças climáticas, com o nome de “soluções baseadas na natureza”. A empresa busca lucrar cada vez mais com as chamadas políticas climáticas.

Lideranças indígenas relatam a experiência de seu povo na luta contra uma das maiores empresa de plantação de eucalipto e produção de celulose do mundo: a Aracruz Celulose – a atual Suzano Papel e Celulose.

Frente da promoção da monocultura de árvores como solução para a crise climática, famílias atingidas por plantações de árvores em Moçambique, Tanzânia e Brasil, mais uma vez denunciaram os graves impactos em suas vidas e meio ambiente.

Uma tática fundamental para o gigante de celulose que continue expandindo suas plantações de eucalipto no Brasil, é se vender como uma empresa que pratica “conservação” e “restauração”, ocultando seu histórico desastroso de impactos sobre florestas e populações.