Mercantilização da natureza

A atribuição de preços a partes da natureza tem uma longa história. A perda florestal em grande escala e a violação dos direitos das comunidades foram consequências dessa secular corrida empresarial por madeiras e terras valorizadas. Os chamados “serviços ecossistêmicos”, como o papel das florestas nos ecossistemas, são uma nova forma de monetizar e comercializar a natureza. O resultado é mais espoliação de comunidades que dependem da floresta e destruição contínua de seus territórios por parte de empresas.

Este boletim se concentra em uma causa central do desmatamento em larga escala e espoliação dos povos da floresta: a imposição de concessões de terras como instrumento para separar, dividir e mapear a terra de acordo com interesses econômicos e políticos. Este editorial alerta para a apropriação de grandes quantidades de hectares de floresta para Concessões de Carbono.
Um artigo do portal de notícias Mongabay alertou para o anúncio feito pela gigante petrolífera francesa Total Energies, sobre o estabelecimento de uma plantação de monocultura de 40 mil hectares nas savanas da República do Congo, para compensar suas emissões.

A Cúpula da ONU sobre Apropriação de Terras, em Glasgow, deixou claro, mais uma vez, que esses espaços nunca promoverão as soluções já existentes para a crise climática.

Suzano, a maior produtora mundial de celulose de eucalipto, busca intensificar suas operações com os chamados ‘títulos verdes’, como forma de financiamento de seus projetos de expansão.

Para os homens mais ricos do mundo, a crise ambiental finalmente chegou. Da fuga para o espaço sideral ou para as terras da fantasia a soluções típicas da ficção científica, os capitalistas buscam desesperadamente dar continuidade ao uso de combustíveis fósseis.

Empresas poluidoras contam histórias sobre atingir um nível de emissão “Líquida Zero” enquanto planejam continuar ou até aumentar a destruição e a exploração. As compensações estão no centro dessas histórias.