Lutas pelas florestas

Convidamos vocês a refletir junto a uma militante que, a partir de suas lutas no Brasil, explora os processos de resistência e os desafios enfrentados. Nesta reflexão, também convidamos a aderir à resistência coletiva, sejam quais forem os seus próprios contextos e espaços de organização. A luta continua e a luta é uma só!
Apoie e assine o requerimento de comunidades quilombolas do Extremo Sul da Bahia, Brasil, pela imediata paralisação de uma obra destrutiva e ilegal da Suzano Papel e Celulose nos seus territórios.
Filme documentário produzido pelo​ NUPOMAR, Núcleo de Pesquisa, Mídias e Arte, com o propósito de registrar e valorizar a memória social do povo Pataxó da Aldeia Barra Velha (no município de Porto Seguro-Bahia).
Por trás de cada apropriação de terras, há também apropriação de água. Terra e água são interligadas e inseparáveis, e nesse sentido, a água é um aspecto essencial da terra e da vida. Ela flui, transforma, nutre e está sendo nutrida por outros ciclos de vida. Portanto, a água é parte fundamental das lutas das comunidades.
As comunidades quilombolas de Sapê do Norte, Brasil, vivem um violento processo com a expansão da monocultura de eucaliptos em grande escala. Após muitas dificuldades, iniciaram um processo para retomar suas águas e terras. E a luta para retomar o que é seu, continua. O WRM conversou com dois ativistas quilombolas pra refletir sobre este difícil, mas fértil, processo de resistência.
A produção industrial de óleo de palma na África Ocidental e Central é controlada principalmente por cinco multinacionais e pode levar a uma expansão contínua. As plantações ocupam vastas extensões de terra. A terra e a água são interdependentes; no entanto, a crise hídrica não existiria se as empresas não tivessem se apoderado das terras das comunidades.
As comunidades indígenas afetadas pela poluição da atividade petrolífera também são impedidas de acessar água potável para consumo e uso. Há onze anos, no norte da Amazônia peruana, cem comunidades e suas federações indígenas travam uma luta unitária, constante e articulada em defesa de seus territórios e rios.
Cada vez com mais frequência, os moradores da Ilha Pari veem suas casas e seus negócios debaixo d’água. Além das lutas contra o turismo promovido por grandes empresas, quatro moradores estão entrando na justiça contra uma das maiores emissoras de dióxido de carbono do mundo e, portanto, uma das principais responsáveis ​​por sua situação: a corporação cimenteira Holcim.
O rio Beni, na Amazônia boliviana, está ameaçado. Enquanto o governo busca instalar mega-hidrelétricas que inundariam uma área muito maior do que a parte urbana da capital La Paz, a mineração e a contaminação com mercúrio causadas por essa atividade continuam adoecendo a vida nesses territórios.
Foi compilado um relatório com base em oficinas, com o objetivo de divulgar as discussões, as propostas e os desafios futuros para fortalecer as lutas pela justiça hídrica.
Uma pesquisa do Urgent Action Fund (UAF) África destaca que as mulheres são as que mais sofrem com a falta de água e o impacto em sua saúde e seus meios de subsistência, bem como em suas famílias e na comunidade em geral.