Lutas pelas florestas

Nova publicação chama atenção para os impactos devastadores de Áreas Protegidas na Índia.
Convidamos vocês a refletir junto a uma militante que, a partir de suas lutas no Brasil, explora os processos de resistência e os desafios enfrentados. Nesta reflexão, também convidamos a aderir à resistência coletiva, sejam quais forem os seus próprios contextos e espaços de organização. A luta continua e a luta é uma só!
As comunidades indígenas afetadas pela poluição da atividade petrolífera também são impedidas de acessar água potável para consumo e uso. Há onze anos, no norte da Amazônia peruana, cem comunidades e suas federações indígenas travam uma luta unitária, constante e articulada em defesa de seus territórios e rios.
O dendê no Brasil está se expandindo rapidamente, principalmente no estado amazônico do Pará. A BBF (Brasil BioFuels), a maior empresa do dendê do Brasil, é acusada de crimes ambientais e violência contra comunidades indígenas, quilombolas e camponesas, como Virgílio Serrão Sacramento, comunidade ligada ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).
Atualmente, existem 270 mil hectares de terras com plantações de dendezeiros no Equador, sendo que a região de maior expansão é Esmeraldas. Os constantes processos de resistência das comunidades La Chiquita, Guadualito e Barranquilla de San Javier continuam gerando indignação e solidariedade entre os povos e internacionalmente.
Uma conversa com o presidente da Associação Quilombola Volta Miúda e da Cooperativa Quilombola do Extremo Sul de da Bahia revelou como a Suzano, maior empresa de papel e celulose do mundo, continua operando com graves violações e ilegalidades. As comunidades continuam lutando para recuperar suas terras.
O modelo de “conservação” na Índia continua cercando florestas e expulsando comunidades, em uma tentativa deliberada de atacar e destruir a Lei de Direitos Florestais (FRA, na sigla em inglês) – uma legislação histórica que fortalece a autoridade das comunidades sobre suas florestas. Enquanto isso, as empresas podem destruir florestas, mesmo dentro das áreas de conservação.
O Povo Munduruku, no Brasil, diz que a retórica anti-indígena do governo Jair Bolsonaro estimulou madeireiros e garimpeiros ilegais e colocou os indígenas em maior risco. Como resposta, três jovens Munduruku coordenam um coletivo audiovisual que usa as redes sociais para conscientizar sobre as invasões ilegais de seu território.
O objetivo geral desta série coordenada pela fundação Swift e o First Nations Development Institute é a busca por novas formas de pleitear clareza e usar linguagem adequada para garantir relações respeitosas e positivas com povos indígenas e grupos marginalizados, evitando usar termos que possam ser discriminatórios ou ofensivos ou se tornar fonte de estratégias que fazem mau uso de seu patrimônio e se transformam em mais um meio de assimilação e deslocamento.
(Apenas em inglês) From 24-29 May, 2022, IUCN’s 2nd Asia Parks Congress aims to set the agenda for Protected Areas in Asia for the next ten years. Expanding Protected Areas in Asia also means expanding evictions, violence and further deforestation.
Entrevista com Letícia Yawanawa, liderança indígena do Acre (Brasil), e Dercy Teles de Carvalho, ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri e defensora dos extrativistas(1). Este artigo faz parte da publicação "15 anos de REDD: Um esquema corrompido em sua essência" .