Mineração em grande escala

Alimentada pela demanda cada vez maior e pelos ciclos de expansão e contração dos mercados globais de commodities, a mineração em grande escala destrói florestas e polui solos, ar e água. Conflitos violentos, exploração sexual, criminalização e expulsão de comunidades que vivem nas florestas destruídas pela mineração são exemplos de impactos sociais ligados à indústria da mineração.

A maioria das causas do desmatamento identificadas em uma análise global conduzida pela ONU em 1999 ainda está vigente. No entanto, as “soluções” propostas desde então se transformaram em novas causas subjacentes do desmatamento. Nesse cenário, os projetos que destroem a floresta e os projetos “verdes” dependem uns dos outros para serem viáveis.
O rio Beni, na Amazônia boliviana, está ameaçado. Enquanto o governo busca instalar mega-hidrelétricas que inundariam uma área muito maior do que a parte urbana da capital La Paz, a mineração e a contaminação com mercúrio causadas por essa atividade continuam adoecendo a vida nesses territórios.
O discurso da 'transição energética' tem sido utilizado para justificar a expansão da fronteira extrativa mineral. No entanto, além da poluição local e dos impactos sobre as florestas e os povos, a extração e o processamento de minerais exigem grandes quantidades de água, com efeitos nos territórios de longo alcance e duração.
Ampliação de impostos sobre o carbono com REDD ressalta o fracasso na precificação. (Este artigo faz parte da publicação "15 anos de REDD: Um esquema corrompido em sua essência")

Este artigo destaca as vozes de Justiça Ambiental! em Moçambique e WoMIN, uma aliança ecofeminista africana.

Este boletim tem como objetivo refletir sobre a extração, a violência e a opressão relacionadas à chamada “transição” energética e sua camuflagem “verde”. Uma transição do quê? Para quê?

Os carros elétricos se tornaram o símbolo da economia de “baixo carbono”. Os impactos negativos dos minerais e metais extraídos para sua fabricação costumam ser minimizados, apesar das milhares de áreas de mineração e da infraestrutura prejudicial que vêm com o processo.

A chamada “economia digital” costuma ser promovida como se tivesse um impacto relativamente baixo sobre o meio ambiente e muito pouca necessidade de recursos materiais. Mas o que (e quem) está sendo ocultado por essas imagens de uma economia quase etérea e mais limpa?