Celulose e papel

As grandes monoculturas de árvores voltadas à produção de celulose e papel, juntamente com a infraestrutura e as fábricas de celulose que acompanham essas plantações, vêm se expandindo sobre as terras férteis das comunidades. Elas já destruíram florestas e pastagens, principalmente na América Latina, na Ásia e no sul da África. As espécies utilizadas – que incluem variedades de eucalipto, acácia e pinus – não ocorrem naturalmente nesses países e são de crescimento rápido.

Subscreva a esta carta para denunciar a maquiagem verde da multinacional finlandesa UPM, que está tentando instalar uma nova fábrica de celulose e expandir as monoculturas de árvores no Uruguai.

Como condição para instalar sua segunda fábrica de celulose, a UPM exigiu que o governo uruguaio construa uma nova ferrovia, do local onde a empresa planeja sua fábrica até o porto. Os custos dos projetos de infraestrutura a serviço da UPM serão pagos pelo governo.

Em 2017, a empresa finlandesa UPM assinou um contrato com o governo uruguaio para instalar uma terceira megafábrica dedicada à produção de celulose. O projeto está sujeito a condições exorbitantes impostas pela multinacional.