Luta contra as monoculturas de árvores

A busca de lucro pelas empresas impulsiona a apropriação de terras para estabelecer monoculturas industriais de árvores. Onde as plantações industriais se enraízam, as vidas e os territórios das comunidades são violentamente invadidos, suas florestas são destruídas e suas águas, poluídas. Quando as comunidades resistem, as empresas tendem a responder com agressão. Apesar dessa violência extrema, comunidades de todo o mundo resistem, se organizam e unem forças em defesa de seus territórios.

Convidamos vocês a refletir junto a uma militante que, a partir de suas lutas no Brasil, explora os processos de resistência e os desafios enfrentados. Nesta reflexão, também convidamos a aderir à resistência coletiva, sejam quais forem os seus próprios contextos e espaços de organização. A luta continua e a luta é uma só!
As plantações de dendezeiros são a principal causa do desmatamento no sudeste do México. Uma rede de mulheres em Chiapas se organizou para denunciar as táticas de coerção e fraude usadas pelo Estado e pelas empresas para que os camponeses aceitem a monocultura em suas terras. A luta delas é pela terra, por seus saberes e para que suas vozes sejam ouvidas.
A empresa de plantação de dendezeiros Socfin é sinônimo de violência e opressão para as comunidades que afetou em vários países africanos. Serra Leoa não é exceção. Em um trabalho conjunto com Aminata Finda Massaquoi, jornalista e coordenadora nacional da WORNAPI, uma rede de defesa dos direitos das mulheres, o WRM está lançando um podcast para dar destaque às vozes das mulheres que convivem com os impactos das plantações industriais.
O portal do noticias Metrópoles percorreu 5,7 mil quilômetros para denunciar como a cadeia produtiva do dendê impacta povos quilombolas e indígenas no estado de Pará, Brasil. Há histórico de trabalho análogo à escravidão, expropriação de comunidades tradicionais e impactos ambientais.
Uma investigação realizada pela SourceMaterial e a Unearthed expôs alguns dos impactos de um grande projeto de compensação de carbono por meio de plantação de árvores na República do Congo, da gigante petrolífera TotalEnergies, que foi anunciado no final de 2021.
Em setembro de 2022, dois grandes contingentes de militares e policiais nacionais foram despachados para as áreas de concessão de plantações de dendê da empresa Plantations et Huileries du Congo (PHC) em Lokutu e Boteka.
Apoie e assine o requerimento de comunidades quilombolas do Extremo Sul da Bahia, Brasil, pela imediata paralisação de uma obra destrutiva e ilegal da Suzano Papel e Celulose nos seus territórios.
Este boletim destaca materiais e análises relacionados às lutas de comunidades contra as plantações industriais de árvores. Também presta uma homenagem às comunidades da República Democrática do Congo (RDC) que lutam para recuperar suas terras de uma empresa de dendezeiros desde os tempos coloniais. Sua luta corajosa mostra as múltiplas camadas de opressão e violações que resultam do modelo de plantações.
As plantações industriais de árvores, independentemente do discurso, sempre estiveram relacionadas ao controle das empresas sobre as terras férteis das comunidades. É inerente ao modelo de monocultura colocar em risco a sobrevivência, a soberania alimentar e a autonomia dessas comunidades, aprofundar a violência do patriarcado e impor a mesma forma destrutiva e opressiva de organizar a terra da era colonial.
A rede que articula movimentos, organizações e comunidades na luta contra as monoculturas de árvores se reuniu no Extremo Sul da Bahia. Neste 21 de setembro, voltou a denunciar os impactos de um modelo violento e injusto, baseado em grandes plantações e voltado principalmente à exportação de celulose.
Na ilha de Kalangala, em Uganda, as plantações de dendezeiros da BIDCO, empresa que tem como uma das proprietárias a multinacional Wilmar, causaram impactos devastadores. A BIDCO planeja expandir suas atividades para a Ilha de Buvuma, mas continua enfrentando forte oposição organizada! Assista a um pequeno vídeo com testemunhos de resistência da Ilha de Buvuma.
Por ocasião do 21 de setembro de 2022, Dia Internacional de Luta Contra as Monoculturas de Árvores, o WRM lançou o documento “12 respostas a 12 mentiras sobre plantações industriais de árvores”.