Madeira

Grandes monoculturas de manejo intensivo e com árvores de mesma idade, voltadas à produção de madeira, vêm se expandindo sobre as terras férteis das comunidades. Elas já destruíram florestas e pastagens, principalmente na América Latina, na Ásia e no sul da África. As espécies utilizadas não ocorrem naturalmente nesses países e são de crescimento rápido.

Um documentário produzido pelo coletivo audiovisual Ojo de Treile mostra como as plantações industriais de monoculturas no sul do Chile têm gerado secas de grandes proporções e violentos incêndios florestais.

A Rede de Organizações de Mulheres de Tirúa, no centro-sul do Chile, está implementando estratégias para que a vida prevaleça em um território fragilizado pela invasão intensa de plantações de árvores, que continuam sendo incentivadas pelas políticas de Estado.

Em 28 de setembro, a justiça do Chile decidiu em favor da comunidade de Ignacio Huilipán, localizada na comuna de Contulmo, região de Bio Bio, forçando a empresa Forestal Arauco.

As empresas de plantação de árvores têm poder e impunidade enormes no Chile. Os incêndios de 2017 demonstraram o conluio dessas empresas com funcionários públicos para evitar investigações e criminalizar o povo indígena Mapuche.