Mercantilização da natureza

A atribuição de preços a partes da natureza tem uma longa história. A perda florestal em grande escala e a violação dos direitos das comunidades foram consequências dessa secular corrida empresarial por madeiras e terras valorizadas. Os chamados “serviços ecossistêmicos”, como o papel das florestas nos ecossistemas, são uma nova forma de monetizar e comercializar a natureza. O resultado é mais espoliação de comunidades que dependem da floresta e destruição contínua de seus territórios por parte de empresas.

A narrativa do desenvolvimento continua sendo ressuscitada, apesar de seu papel no estímulo à crise atual e na destruição dos meios de subsistência de milhões de pessoas, que acabaram expulsas de suas terras e empobrecidas.