REDD e promessas de desmatamento zero

Reduzir as emissões de desmatamento e degradação (REDD+) tornou-se a política florestal internacional predominante. Entre as variações do REDD+ estão as “Soluções Naturais para o Clima” e os compromissos das empresas com “Desmatamento Líquido Zero”. Na realidade, o desmatamento continua, as empresas poluidoras usam as compensações de REDD+ para não ter que reduzir suas emissões de carbono fóssil, e as promessas de desmatamento líquido zero permitem desmatar uma área, desde que outra área “equivalente” seja restaurada em um lugar diferente.

Às vésperas do momento fundamental da ONU para a biodiversidade, as “soluções baseadas na natureza” são anunciadas mais uma vez, erroneamente, como sendo a solução.
A declaração já está fechada para assinaturas.

Apelo à sociedade brasileira e aos povos do mundo para que defendam os territórios do capitalismo e seu novo ataque “verde”.

Chamamos as organizações a assinar esta Carta Aberta até sexta-feira, 6 de novembro.

Essa é a mensagem de mais de 80 organizações para o Conselho do GCF, em 17 de agosto de 2020. As organizações pedem que o Conselho rejeite dois pedidos de financiamento dos governos da Indonésia e da Colômbia.

Convidamos as organizações a assinar esta carta aberta aos membros do Conselho do Fundo Verde para o Clima até segunda-feira, 17 de agosto.

Essa é uma boa notícia para florestas, povos da floresta e o clima, porque a proposta da IFC visava subsidiar um mercado de carbono para os créditos oriundos de projetos de REDD+ do setor privado, para os quais não há demanda nem justificativa.

Mais de cem organizações assinaram esta carta aberta aos membros do Conselho do Fundo Verde para o Clima. O Conselho se reunirá de 12 a 14 de novembro de 2019 e decidirá sobre uma série de solicitações de financiamento relacionadas ao REDD+.