Megabarragens e outras infraestruturas

As operações industriais exigem uma vasta rede de infraestruturas: estradas, portos, hidrovias, ferrovias, etc., que cortam os territórios das florestas e das comunidades para transportar mercadorias e minerais para os centros industriais. As mega-hidrelétricas, embora se considere que forneçam “energia limpa”, inundam florestas e geram energia principalmente para indústrias poluentes e grandes centros urbanos.

Brasil e Indonésia têm algo em comum: em algum momento, seus governantes decidiram construir uma nova capital. Enquanto Brasília foi feita há cerca de 60 anos, a construção da nova capital da Indonésia está em andamento. Os dois projetos reforçam um Estado colonial, apesar de seus promotores afirmarem o contrário. No entanto, ambos também mostram o papel das lutas sociais como forma de reverter um histórico de colonialismo. (Disponível em Bahasa Indonésia)
A maioria das causas do desmatamento identificadas em uma análise global conduzida pela ONU em 1999 ainda está vigente. No entanto, as “soluções” propostas desde então se transformaram em novas causas subjacentes do desmatamento. Nesse cenário, os projetos que destroem a floresta e os projetos “verdes” dependem uns dos outros para serem viáveis.

Nos modelos dominantes de produção e consumo de energia, a centralização da matriz energética e a concentração do poder decisório permanecem, e com todas suas marcas de desigualdades, do patriarcado e do racismo ambiental, mesmo quando mude a a fonte de energia.

O WRM conversou com aliados próximos, oriundos de Brasil, Gabão, Índia, México e Moçambique para ouvir e aprender sobre suas visões de desenvolvimento.

Embora a fumaça dos incêndios florestais no Brasil pudesse ser vista com facilidade nas reportagens da mídia, bem mais difícil era enxergar o que estava por trás da cortina de fumaça do governo brasileiro: ações que levarão a floresta a uma morte rápida.

O crescimento da extração de minérios e produção minero-metalúrgico e a consequente multiplicação das barragens de resíduos tóxicos ocorreram na mesma proporção dos vazamentos e rompimentos de barragens de resíduos em diversos do mundo. E evidente a complexidade social, histórica, política e econômica de esses desastres.

É impossível pensar em extração sem pensar em uma vasta rede de infraestrutura complementar e, portanto, em desmatamento e destruição ainda mais amplos.

A construção da fábrica da Suzano, juntamente com as estradas contíguas, o constante transporte de madeira e o afluxo maciço de trabalhadores, trouxeram muita devastação para as populações. Este é o testemunho de uma mulher que luta pelo seu território.

A luta segue viva contra a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, os povos do território ainda precisam lidar com a negação de direitos básicos, o aumento da violência no campo e na cidade e os enormes desafios de continuar produzindo após os impactos de “Belo Monstro”.