África (geral)

É impossível pensar em extração sem pensar em uma vasta rede de infraestrutura complementar e, portanto, em desmatamento e destruição ainda mais amplos.
Os corredores de megainfraestrutura, que são prioridade em ambiciosos programas de investimento abrangendo o continente africano, estão voltados diretamente a facilitar a exportação de minérios e commodities agrícolas e a importação de manufaturados.
Nos últimos anos, o ecologista Mordecai Ogada tem se dedicado a examinar os problemas políticos e os preconceitos que estão na base dos desafios da conservação da vida selvagem, principalmente na África. Essas são questões centrais de seu livro “The Big Conservation Lie”, em coautoria com John Mbaria. No Festival Nature in Focus, em 2017, ele falou sobre como o setor de conservação criou um terreno fértil para preconceitos raciais e de classe em termos de ideias sobre a vida selvagem e as florestas.
Uma investigação recente do BuzzFeed News revela que o World Wide Fund (WWF) financia forças paramilitares cruéis para combater a caça ilegal. Os autores escrevem que “em parques nacionais da Ásia e da África, a prestigiada organização sem fins lucrativos, cujo logotipo tem um panda fofinho, financia, equipa e trabalha diretamente com forças paramilitares acusadas de espancar, torturar, abusar sexualmente e assassinar dezenas de pessoas”.
O que está acontecendo com a terra e as riquezas naturais no mundo, e com as pessoas que dependem delas? Como as pessoas estão respondendo a essas tendências, ameaças e desafios? Com o objetivo de abordar essas questões, 12 artigos com análises e narrativas poderosas vindas da América Latina, da Ásia e da África dão testemunho das lutas em andamento – e talvez, permanentes – das pessoas por direitos, terras, territórios e meios de subsistência.
Comunicado de imprensa. 7 de março de 2019 Rompendo o silêncio: As plantações industriais de dendezeiros e seringueiras geram assédio, violência sexual e abuso contra as mulheres
Entrevista com o ativista Nasako Besingi. Ele organizou comunidades para protestar contra as plantações de dendê da empresa Herakles Farm. Devido a esse envolvimento, ele já foi vítima de ataques físicos, intimidação e criminalização por parte da Herakles Farm e do governo. (Disponível em suaíli).
A Amigos da Terra Internacional e o Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais lançaram uma declaração internacional denunciando a Mesa Redonda de Óleo de Dendê Sustentável.
Camponeses, camponesas e outras pessoas que trabalham em áreas rurais ficaram a um passo de obter uma Declaração da ONU que poderia defender e proteger seus direitos a terra, sementes, biodiversidade, mercados locais e muito mais
Com a adesão de organizações nos cinco continentes, a Amigos da Terra Internacional e o WRM denunciam o fracasso da RSPO em eliminar a violência e a destruição causadas pelas monoculturas de dendê.